Carolina: As Cachoeiras da Chapada das Mesas

Fomos passar o Ano Novo em Carolina, no Maranhão. Localizada em uma região conhecida como Chapada das Mesas, é a cidade que dá acesso à diversas cachoeiras, lagoas, morros, cavernas e muitas belezas naturais.

Saímos de Belém as 06h da manhã de sábado. Foram cerca de 800km rodados em uma viagem tranquila e sem atropelos, graças a Deus. Chegamos em Carolina às 15h e a cidade é um charme – pequena e tranquila, uma típica cidade de interior. Ficamos na Rochas Pousada, quarto com banheiro, água quente, ar condicionado e café da manhã para duas pessoas (R$ 900 por 07 noites). O dono da pousada, Sr Itamar, é um querido que nos presenteou com uma suíte nupcial muito legal porque íamos ficar uma semana inteira! Tinha até banheira! Enfim, recomendo, ótima relação custo–benefício, o staff é muito atencioso e a localização é bem pertinho da praça, então dá pra ir jantar caminhando sem problema algum.

Mas vamos falar dos passeios, que são o maior atrativo do lugar. Muita natureza, muita cachoeira, algumas trilhas e fotos estonteantes de lugares lindos! Tudo aqui pertinho, nessa vasta região amazônica 🙂

Booking2

Domingo, dia 1 – Fizemos o passeio às Cachoeiras do Prata e São Romão. Apesar de estarmos de carro, esse passeio deve ser feito em 4×4 porque tem muito chão de terra e em alguns trechos é impossível um carro não traçado passar.  A viagem é feita numa antiga Toyota adaptada com bancos na carroceria pra acomodar até 12 pessoas. Fizemos o passeio com o Nivaldo – da Nivaldo Turismo, que é guia e foi recomendado pela nossa pousada. Achei o preço justo pois é um passeio de dia todo. Custa R$ 80 por pessoa o transporte (esse preço varia dependendo da lotação do caminhão – quanto mais gente, menor o preço. Menos gente no passeio, o preço por pessoa sobe), mais R$ 10 por pessoa de entrada em cada cachoeira.

A primeira cachoeira que fizemos foi a São Romão. Linda, poderosa queda d’água, gelada e com visual estonteante. Uma das coisas mais legais é que o guia nos leva por um passeio atrás da queda, então a gente consegue ter uma visão diferente. É uma trilha curtinha, em alguns trechos passamos por milhares de cocôs de andorinha (que eu acho serem de morcego, na verdade), e que tem um cheiro bem estranho, mas vale a pena, a energia é incomparável! Não fizemos a trilha inteira porque estava muito liso, mas já foi uma experiência renovadora. Depois ficamos nadando e curtindo aquela natureza por um tempo, até a hora do almoço, que rolou alí mesmo, em um pequeno restaurante que dá acesso a cachoeira. Comemos tambaqui e tomamos cerveja em lata (R$ 55 o peixe para duas pessoas, com feijão, salada e farofa para acompanhar e R$ 4 a latinha de skol).

Da São Romão, partimos para a Cachoeira do Prata, linda também. Enquanto Dani fazia fotos, fui banhar nas águas geladas e correntes acompanhada do Gustavo, 12 anos, filho do motorista do passeio. O Gustavo parecia um peixe e me encorajou a entrar naquela água gelada, mas que fica uma delícia depois do primeiro mergulho. Ficamos mais um tempo na cachoeira e na hora de voltar já era tarde. Chegamos no hotel por volta de 20h, o passeio é distante da cidade de Carolina, cerca de 1:30h de locomoção pra ir e mais esse tempo pra voltar.

Segunda Feira, dia 2 – Fomos para Itapecuru, agora de carro. Bem fácil de encontrar, é como se fosse um clube privado com duas cachoeiras gêmeas e estrutura de restaurante. É um balneário, na verdade. Bonito também, banho gostoso, mas mais “pop”, estava bem movimentado no dia. Fica cerca de 30km distante de Carolina, sentido para Riachão que é outra cidade e custa R$20 por pessoa de entrada.

Terça Feira, dia 3Poço Azul e Encanto Azul. Fomos de carro e fica distante 120 km de Carolina. Chegamos primeiro na propriedade que dá acesso ao Poço Azul, cobra-se entrada de R$20 por pessoa. Tem estrutura de banheiros, restaurante e lanchonete. Para ver as cachoeiras e o poço em si, você faz uma trilha de cerca de 600 metros em descida por um caminho sinalizado. Primeiro visitamos a maravilhosa Cachoeira Santa Bárbara, contemplamos o lugar (fomos os primeiros à chegar, não tinha mais ninguém!!!), fizemos fotos e seguimos ao Poço Azul. Que lugar lindo. Que paz. Chegamos antes da maioria dos turistas, tinha só mais um pequeno grupo, estava silencioso e lindo. Enfim, as fotos falam por si. Recomendo levar óculos para fazer snorkel, porque tem muitos peixinhos e a água é transparente! Não pode descer com mochila e comida pro poço para garantir a limpeza do lugar, mas eles te dão uma sacolinha plástica pra levar a câmera, celular e os óculos, se quiser. Lá eles alugam coletes e macarrão mas snorkel não, bom levar o seu mesmo.

Voltamos, fizemos um lanche e pegamos um transporte 4×4 para ir ao Encanto Azul. Para esse passeio não cobra-se entrada mas temos que pagar a viagem da caminhonete que custa R$ 100 (ida e volta para 4 pessoas). Como não conseguimos ninguém pra dividir o passeio, negociamos e ficou R$ 30 por pessoa – no caso Dani e eu somente. Nossa motorista nos deixou lá e marcamos um horário para ela ir nos buscar. Mais descida, mais trilhas, alguns mosquitos até que chegamos no Encanto Azul. O lugar é lindo, realmente. Mas tivemos a sorte (ou não), de chegar em um horário super lotado, com pessoas fazendo piquenique, tomando cerveja e comendo frango e melancia o que gerou restos de comida na água e um pouco de lixo no lugar. Não gostei tanto quanto o Poço Azul, mas vale a pena conhecer também é um belo visual.

Quarta Feira, dia 4Pedra Caída. É um complexo privado em formato de Resort e que tem diversas belezas naturais. Fomos de carro, fica cerca de 30km distante de Carolina. Logo na chegada ganhamos uma pulseira e nela é colocado todos os valores que você consumir. Só pra entrar no resort paga-se uma taxa de R$ 50 por pessoa, que dá direito ao complexo de vestiários e piscinas. Escolhemos nossos passeios – de manhã o Santuário e a tarde o passeio da Caverna e Capelão.

Para a Cachoeira Santuário, o valor é R$ 30 por pessoa e o guia nos leva por uma trilha leve até chegar ao local. Molha tudo o que você tiver quando chega na cachoeira principal, então não temos fotos muito boas. Mas o local é lindo e uma queda d’água impressionante. Impossível não sentir-se energizado e grato. Foi o segundo passeio mais lindo na minha opinião, o Poço Azul ficou em primeiro haha 🙂

Retornarmos por volta de 12:30h, ficamos um pouco na piscina, tomamos Budweiser de lata (R$ 5) e às 14h fomos pegar o transporte que nos leva as outras cachoeiras. Passeio muito lindo, cachoeiras de água muito gelada, mas eu adorei! Algumas pessoas optaram por fazer outros passeios a tarde, você pode escolher, tem opções diversas – incluindo a maior tirolesa do Brasil. Com certeza vai ter uma programação que te agrade e seja seu estilo.

Saímos da Pedra Caída por volta de 17h pois queríamos passar no Portal da Chapada para ver o por do sol. Após uma subida na areia fofa e a certeza de que meu preparo físico não existe, chegamos lá em cima e realmente a paisagem é maravilhosa. Tinha um pequeno grupo de pessoas – inclusive o Gustavo, meu companheiro de mergulhos e que fez uma foto nossa fofa. Esse passeio você não paga nada e se o dia estiver aberto a visão é linda da Chapada das Mesas, recomendo! O Portal fica quase que no meio do caminho para a Pedra Caída, então mais ou menos 15km da cidade.

Quinta Feira, dia 5Cachoeira do Dodô, distante cerca de 20 km de Carolina. É uma propriedade privada, paga-se R$ 8 por pessoa para entrar e você pode pedir almoço na casa do proprietário. Tem uma cachoeira com a maior queda (onde o Daniel fez o favor de perder a aliança, mas depois achou, Graças!) e várias pequeninas, inclusive uma estilo hidromassagem onde ficamos horas tomando banho. Almoçamos tambaqui para duas pessoas (R$ 45), bebemos Budweiser (R$ 5 a lata) e estava tudo uma delícia.

O vídeo é de uma piscina natural com hidromassagem que forma antes da cachoeira maior no Dodô. Segundo Daniel, “limpeza” (Tentando entender, Deus).

A noite de ano novo foi na praça, em um restaurante bem gostoso e na companhia de amigos que encontramos lá sem estar combinado. Uma delícia e, apesar do papo estar ótimo, voltamos a pousada logo após a virada do ano pois queríamos retornar ao Poço Azul para curtir nosso último dia na cidade – e assim fizemos.

Outras fotos da nossa viagem:

Como chegar – de carro. Se você estiver longe, pode ir de avião até Imperatriz (200km até Carolina) e alugar um carro lá.

Quantos dias – recomendo pelo menos 4 dias, para fazer os principais passeios.

Melhor período – Julho, que é o alto verão, mas também a alta temporada. Fomos em Dezembro e demos sorte de ver pouca chuva 🙂

Booking2

Uma consideração sobre “Carolina: As Cachoeiras da Chapada das Mesas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s